Serviços e Soluções

Agenda

28
Fev

Reunião de Diretoria da Caciopar _Alinhamento do PE

06
Mar

1º Encontro do Conselho de Executivos da Caciopar - no Kattamaram

28
Mar

Reunião Empresarial da Caciopar na Acimacar - MCR

25
Abr

Reunião Empresarial e Aniversário da Caciopar - em Quedas do Iguaçu

23
Mai

Reunião Empresarial da Caciopar em Santa Helena

27
Jun

Reunião de Diretoria da Caciopar na Acime em Medianeira

29
Ago

Reunião Empresarial da Caciopar em Jesuítas

Revistas Eletrônicas

Alci Lúcio Rotta Júnior

2018/2020
Presidente

Resiliência para fazer o Brasil prosperar


Um passo por vez, o ano de 2019 entra para a história como aquele que livrou o Brasil de um dos mais temerosos e sombrios capítulos de sua história. Os resultados para apenas 12 meses de trabalho são surpreendentes e comprovam que a equipe de Jair Bolsonaro não está para brincadeira. Muito ainda falta fazer para recuperar o país que por 30 anos ficou mergulhado entre poucos períodos de euforia e muitos de depressão, mas muito já foi feito.
Não há como negar que o primeiro ano do atual governo foi de enormes conquistas e correções. O novo governo mostra como é gerir com austeridade, eficiência e foco. Embora o passado deva ser colocado de lado, é impossível ignorar as dificuldades que o populismo e a ideologia semearam. No campo econômico e administrativo é comum que as coisas se ajeitem com mais rapidez. Entretanto, no cultural e social a paciência passa a ser determinante para que os ajustes, com base no respeito e na ética, aconteçam da maneira esperada.
A Lava-Jato é uma das operações de combate ao crime mais bem-sucedidas da história. Surgiu da determinação de uns poucos magistrados de tentar derrotar a corrupção que há décadas, senão há centenas de anos, torna o Brasil um país frágil e que dá mais certo na teoria do que na prática. O trabalho heroico de nomes como Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e tantos outros merece e é reconhecido pelas pessoas que, com trabalho e seriedade, unem-se na construção de um País melhor.
Mas como se percebe, vencer as amarras do passado, das benesses e das barganhas não é exatamente um exercício simples. A resistência mais dura e corrosiva vem do lugar menos provável, daquele que deveria ser o guardião da Constituição, das leis e, principalmente, do clamor das pessoas de bem que, com trabalho e dinamismo, constroem a nação. O Brasil não pode e não vai abrir mão dos avanços que obteve nos últimos anos, que colocou nomes de peso da política nacional e grandes tubarões dos negócios na cadeia.
Fazer do Brasil um país melhor exige sacrifícios, todavia é injusto que sejam sempre os mesmos que entrem na fila da penitência. Os que estão no andar de cima também precisam dar a sua parcela de colaboração, estadismo e amor à nação. No entanto, esses sentimentos, na sua forma mais pura e essencial, estão distantes da maioria dos barões do poder, como ocorreu em votações recentes que colocaram a Operação Lava-Jato em dificuldades. O fim da prisão em segunda instância, para favorecer criminosos do colarinho branco, foi uma atitude lamentável e que mantém ainda mais sóbrios aqueles que querem e confiam em um Brasil diferente.
O ano de 2020, se pelo lado da economia traz grandes expectativas, vai exigir muito mais das entidades e das pessoas que revestem a alma de verde e de amarelo. Que as realizações de 2019 e o espírito de fraternidade da maior festa cristã da terra nos encha de otimismo, de coragem e de persistência, porque é delas que vamos extrair a resiliência necessária para, um passo por vez, conduzir o Brasil pelas sendas da justiça, honestidade e prosperidade.
Resiliência para fazer o Brasil prosperar


Um passo por vez, o ano de 2019 entra para a história como aquele que livrou o Brasil de um dos mais temerosos e sombrios capítulos de sua história. Os resultados para apenas 12 meses de trabalho são surpreendentes e comprovam que a equipe de Jair Bolsonaro não está para brincadeira. Muito ainda falta fazer para recuperar o país que por 30 anos ficou mergulhado entre poucos períodos de euforia e muitos de depressão, mas muito já foi feito.
Não há como negar que o primeiro ano do atual governo foi de enormes conquistas e correções. O novo governo mostra como é gerir com austeridade, eficiência e foco. Embora o passado deva ser colocado de lado, é impossível ignorar as dificuldades que o populismo e a ideologia semearam. No campo econômico e administrativo é comum que as coisas se ajeitem com mais rapidez. Entretanto, no cultural e social a paciência passa a ser determinante para que os ajustes, com base no respeito e na ética, aconteçam da maneira esperada.
A Lava-Jato é uma das operações de combate ao crime mais bem-sucedidas da história. Surgiu da determinação de uns poucos magistrados de tentar derrotar a corrupção que há décadas, senão há centenas de anos, torna o Brasil um país frágil e que dá mais certo na teoria do que na prática. O trabalho heroico de nomes como Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e tantos outros merece e é reconhecido pelas pessoas que, com trabalho e seriedade, unem-se na construção de um País melhor.
Mas como se percebe, vencer as amarras do passado, das benesses e das barganhas não é exatamente um exercício simples. A resistência mais dura e corrosiva vem do lugar menos provável, daquele que deveria ser o guardião da Constituição, das leis e, principalmente, do clamor das pessoas de bem que, com trabalho e dinamismo, constroem a nação. O Brasil não pode e não vai abrir mão dos avanços que obteve nos últimos anos, que colocou nomes de peso da política nacional e grandes tubarões dos negócios na cadeia.
Fazer do Brasil um país melhor exige sacrifícios, todavia é injusto que sejam sempre os mesmos que entrem na fila da penitência. Os que estão no andar de cima também precisam dar a sua parcela de colaboração, estadismo e amor à nação. No entanto, esses sentimentos, na sua forma mais pura e essencial, estão distantes da maioria dos barões do poder, como ocorreu em votações recentes que colocaram a Operação Lava-Jato em dificuldades. O fim da prisão em segunda instância, para favorecer criminosos do colarinho branco, foi uma atitude lamentável e que mantém ainda mais sóbrios aqueles que querem e confiam em um Brasil diferente.
O ano de 2020, se pelo lado da economia traz grandes expectativas, vai exigir muito mais das entidades e das pessoas que revestem a alma de verde e de amarelo. Que as realizações de 2019 e o espírito de fraternidade da maior festa cristã da terra nos encha de otimismo, de coragem e de persistência, porque é delas que vamos extrair a resiliência necessária para, um passo por vez, conduzir o Brasil pelas sendas da justiça, honestidade e prosperidade.

" > Ver mais

Inscreva-se

Fique por dentro das novidades!

Contato

Entre em contato com a CACIOPAR para obter mais informações sobre a Coordenadoria, convênios e parcerias. Utilize também este canal para registrar solicitações, reclamações e sugestões. Teremos o maior prazer em atender nossas Associações Comerciais, empresários e parceiros.


COORDENADORIA DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO OESTE DO PARANÁ

Rua Pernambuco, 1800 - Anexo à Acic - 1º Andar - Centro
85810-021 - Cascavel - Paraná
(45) 3321-1449
(45) 3321-1416